«Não serei o primeiro a abandonar o barco»

 

Foi o que disse Carmona Rodrigues. Alguém devia ter a misericórdia de lhe explicar que já não há barco, e que os salva-vidas (CDS) até tinham sido os primeiros a ir borda fora.

 

É no mínimo vergonhoso que nem sendo demitido em directo pelo líder do partido que o elegeu, Carmona tenha o bom-senso de se retirar. Não sendo sádica, não me dá alegria nenhuma assistir a este afogamento, que o próprio quer ainda mais lento, mais vergonhoso e mais doloroso.

Preferia que tivesse saído depressa, porque bem já não ía a tempo.

Anúncios