You are currently browsing the monthly archive for Julho 2010.

Foi anteontem, dia 25 de Julho.

Mas isso é apenas um pretexto para falar de idiotices que me fazem muita comichão e que me levam a ter dúvidas existenciais. Hoje num café, numa mesa ao lado da minha, um rapaz tentava impressionar uma rapariga com as peripécias de uma peregrinação a pé a Santiago de Compostela com partida em Vieira do Minho. Ele disse Vieira do Minho, mas pela descrição da viagem de comboio e do facto de ser a última localidade portuguesa junto à fronteira, estava a falar de Valença.

Começa bem(!?), mas adiante.

A viagem era impressionante, entre albergues esgotados, camaratas gigantes, dias e dias a pé num esforço enorme, as bolhas nos pés… Até aqui tudo certo, excepto que se esqueceu do mais impressionante: as paisagens galegas. Limitou-se a descrever que “havia uns montes e umas cenas”…

Depois explicou que este ano é Xacobeo, porque o dia de Santiago calha a um domingo. Certo. “Lá para 11 de Agosto ou coisa parecida” disse o rapaz.

Ora, que uma pessoa não saiba os dias dos santinhos todos, até porque a Igreja tratou de arranjar um santo para cada dia do ano, não me choca [não vem nada ao caso, mas quem será o santinho a quem a Igreja tratou como bastardo e atribuiu a 29 de Fevereiro?].

A questão é que este rapaz falou de Santiago com toda a devoção, fez uma peregrinação de cento e vinte quilómetros a pé (que não é brincadeira nenhuma!), mas não sabe bem fazer o quê, quando, onde?!!!!

Tive vontade de me levantar e ir dizer-lhe: “Foi anteontem, dia 25 de Julho”. Estragava-lhe o engate e ainda era capaz de levar uma resposta torta. Mas não o fiz… nem eu sei bem porquê. Não fui, mas fiquei a pensar que ele merecia uma resposta, já que fez tantos quilómetros a pé, devia saber pelo menos o dia do santo.

Depois apercebi-me que ele contou toda a viagem como se tivesse a contar uma expedição de um desporto radical. Foi para aquele que arranjou companhia e portanto, em vez de ir descer uns rápidos ou fazer rappel, foi peregrinar. Não percebeu nada de nada!

É como ir a Roma, ver o Papa só porque está com a carneirada e vir depois contar que havia uns palácios que pareciam uns montes de pedras pintadas com um tipo de saias a acenar da janela.

Anúncios

Auditoria

Que se lixe a troika