Pessoal… e Transmissível – TSF.

Rafael Marques, nome que eu desconhecia até hoje (mea culpa), é um jornalista angolano e activista dos direitos humanos. Dedica-se à investigação da corrupção em Angola e falou hoje na entrevista com o Carlos Vaz Marques; falou e disse. Tudo!
Nós vamos ouvindo falar da Sonangol, da filha do presidente angolano, assim por alto. Sabemos do envolvimento do BES — mas o BES com o currículo que tem, não surpreende ninguém, é um grupo versátil em todo o tipo de barbaridades —, mas não sabemos da profundidade do envolvimento dos nossos eleitos todos, ao longo dos anos. Não se limitam ao deixar andar ou à ausência de denúncia, há uma ajuda activa e colaboração na situação existente.

Ora, o Rafael Marques não consegue entrar em Portugal pela via normal, ou seja, dirigindo-se à embaixada portuguesa em Luanda e cumprindo os trâmites normais para obter o visto. Não. Tem que ir a outra embaixada do espaço Schengen e entrar em Portugal através da UE (bom, para alguma coisa esta porcaria de união financeira havia de servir!!!). Diz que nunca foi incomodado em Portugal (era só o que faltava!), mas não lhe dão o visto, porque denuncia a corrupção em Angola e o estado português tem que ser bem-mandado. Afinal o estado português não é o cão de fila obediente da Europa, é uma puta que abana a cauda a qualquer um que lhe acene com um maço de notas!

O blog dele aqui fica — Maka Angola — para seguir atentamente. Enquanto ele continuar a publicar, significa que o José Eduardo dos Santos ou qualquer outro empresário ainda não o assassinaram.

Para mim, portuguesa, é uma vergonha ter este estado, estes representantes, este país, que participa activamente na miséria do povo de um dos países mais ricos do Mundo!

Anúncios