Numa conversa acerca da reforma longamente pensada por Freitas Branco para o ensino artístico e que o governo fascista estava a cartar, responde o Ministro da Instrução a Luís de Freitas Branco:

“As reformas da instrução são como as árvores, quanto mais se cortam melhor produzem.”

in Diário, Luís de Freitas Branco, 17/02/1937

Mais uma vez retirado do livro Luís de Freitas Branco de Nuno Bettencourt Mendes, Ana Telles e Alexandre Delgado.

Disclaymer: Qualquer semelhança entre as declarações de um ministro da ditadura e as políticas actuais relativamente ao ensino artístico são pura coincidência.

Anúncios